31 de mar de 2009

"O mestre é como uma vela que acende outras e se consome no processo." Ruffini



Do Ganesh ao mantra que traz a consciencia ilimitada, Ganesh é barrigudo de tantos caramelos, e tem orelhas e trombas de elefante. Mas escreve com mãos de gente. Ele é mestre de iniciações, aquele que ajuda as pessoas a começarem suas obras. Sem ele, nada na Índia teria começo. Na arte da escrita, e em todo o resto, o começo é o mais importante. Qualquer princípio é um grandioso momento de vida, ensina Ganesh, e as primeiras palavras de uma carta e de um livro são tão fundadoras como os primeiros tijolos de uma casa ou de um templo... Mas enfim, o objetivo não é conhecer Ganesh ou a cultura Indiana e sim mostrar que para ser um mestre verdadeiro e justo deve-se pensar no grupo em primeiro lugar e não em si próprio, pensar em como suas atitudes vão interferir no meio e refletir antes de agir...O mestre verdadeiro dá o máximo de si para ajudar seus "seguidores" por mais que ele passe noites sem dormir pensando na solução, ou passe horas tentando ajudar o colega a antender eu agir em certas ocasiões... o verdadeiro mestre é aquele que é severo e exige o máximo, mas também é aquele que no fundo é seu amigo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário